Desumidificador de Ar para Data Center

Desumidificador para Data Center
Desumidificador para Data Center

Dentre os principais pontos a serem monitorados nesse ambiente, bem como a temperatura, está a umidade relativa do ar. Equipamentos extremamente sensíveis exigem correta climatização do ambiente para anular qualquer chance de ocorrer inatividade e, por conseguinte, atraso ou perda de dados.

Sistemas contra incêndio, adequação do piso contra possíveis inundações e restrição de acesso, são medidas geralmente tomadas para preservar todo investimento aplicado nas salas de data center. Mas, aquém disso, o controle de umidade é mais do que válido para conservação das peças e processamento adequado e ininterrupto.

Um estudo realizado pela IBM em 2006 sobre os projetos de data center já revelava que entre as práticas mais relevantes na construção desse tipo de espaço, está a preocupação com a sua refrigeração, uma vez que quanto maior o consumo de energia, maior e de forma mais rápida ocorre o aquecimento das máquinas.

 

O perigo da alta umidade em Data Centers

A umidade excessiva em um data center pode:

 

 

Oxidar fios e cabos de alimentação; 

 

 

 

 

 

Causar curtos-circuitos e incêndios;

 

 

 

 

 

Provocar a perda de dados importantes para empresas;

 

 

 

 

Danificar internamente os servidores e seus componentes, causando corrosão;

 

 

 

 

Prejudicar financeiramente as empresas.

A integridade física de um Data Center deve ser prioridade dentro de uma empresa, afinal, temperatura e umidade são fatores capazes de afetar o desempenho de máquinas de pequeno e grande porte. E, nem mesmo empresas renomadas, como o Facebook, estão livres disso.

 

No ano de 2011, o primeiro Data Center da empresa sofreu com problemas causados pelo excesso de umidade. Na época, funcionários relataram que a umidade estava tão alta que era possível ver uma nuvem no local e que parecia até mesmo chover. Em decorrência da umidade relativa a 95%, inúmeros hardwares estouraram e servidores foram perdidos.

Se temperaturas altas, por sua vez, podem provocar fundição das ligas de estanho existentes dentro das placas eletrônicas e, por conseguinte, curto nos equipamentos, a umidade alta provoca potencialização de um curto circuito, condensação dentro de servidores e corrosão de peças e acaba causando downtime.

Empresas de muitos segmentos dependem desses sistemas eletrônicos para garantir a segurança de suas operações e o armazenamento de informações importantes. Mas, a presença de pós, gases, fungos e outros microrganismos que se proliferam quando a umidade do ambiente está alta, pode prejudicar o desempenho das máquinas.

O alerta da IBM sobre contaminantes diz que o excesso de umidade somado à presença de partículas sólidas e gases, é prejudicial principalmente em indústrias. Nesses locais, o mau cheiro, a corrosão de partes metálicas e placas de circuito são os primeiros sinais que evidenciam a ação da umidade somada aos gases como dióxido de enxofre, ozônio e cloro gasoso.

Enquanto fungos, responsáveis pelo mofo e bolor, aquelas manchas escuras nas paredes, cantos dos servidores e comprometimento da estrutura física ao longo do tempo, a umidade alta somada à temperatura, compromete a capacidade dielétrica das máquinas. 

Quando a umidade aumenta dentro da placa de circuito impresso, responsável por conduzir corrente elétrica dentro dos componentes eletrônicos, a linha de transmissão sofre alterações e sua performance é afetada. A falha no desempenho dos circuitos é provocada e os custos com manutenção e troca de peças são principais consequências.

 

Como seguir as diretrizes térmicas de ambiente para cada Data Center

A organização de um data center é dividida em sete etapas:

 

O monitoramento e controle da umidade relativa do ar dentro desses ambientes são requeridos para evitar qualquer dano ou imprevisto. Para evitar que os componentes metálicos dos servidores sofram com corrosão ou dano, a ASHRAE (Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Ar Condicionado) criou diretrizes térmicas, segundo eles, é necessário que o ambiente mantenha a umidade relativa do ar entre 45% e 55% e com temperatura inferior a 30°C. Além disso, a norma ISO/IEC 11.801 de cabeamento estruturado para telecomunicações preza ainda pela conservação de hardwares em ambientes com temperatura entre -10°C e 60°C e sem contato com a umidade ou outros elementos corrosivos.

O uso do Desidrat para Data Centers

O alcance de níveis tão específicos dentro de cada área, não depende apenas do uso de ar condicionado, uma vez que não é possível determinar o nível específico de umidade e ainda corre-se o risco de ter um ambiente seco demais.

Tal necessidade só é suprida através do uso de um Desidrat, desumidificador de ar profissional e presente no mercado há mais de 35 anos. O desumidificador atua para controlar a umidade, impedindo a proliferação de qualquer tipo de microrganismo nocivo às máquinas.

Ao manter os níveis recomendados, o Desidrat garante o funcionamento ininterrupto de todos os setores de uma empresa, bem como a salvaguarda de dados e de processos internos.

Confira depoimento de um de nossos clientes:

“Somos uma Empresa de Data Center e estávamos tendo sérios problemas de umidade em nossas salas de UPS,  por segurança elas são compartimentadas em ambientes fora do Core, utilizando uma solução da Thermomatic foi solucionado 100%, sendo possível equalizar de acordo com o set desejado.”
André da Hostweb.

 

PRINCIPAIS CLIENTES:

 

 

Para saber qual modelo de desumidificador de ar utilizar no Data Center da sua empresa, preencha o formulário e agende uma visita técnica através de nossos consultores.

 

Surgiu alguma dúvida? Fale conosco!

Erro: Preencha os campos obrigatórios.

Erro: Preencha os campos obrigatórios.

Desumidificadores Desidrat.

Quem usou, aprovou!

Confira abaixo alguns de nossos desumidificadores para controle de umidade em Data Center:

© Thermomatic do Brasil | Otimização de Sites SEO - Marketing em Internet