Desumidificadores para Indústria de Cosméticos

Desumidificadores para Indústria de Cosméticos
Desumidificadores para Indústria de Cosméticos

A indústria de cosméticos é uma das responsáveis por impulsionar a economia do país, mesmo em tempos de crise. No início de 2019, o setor registrou crescimento de 10,6% em relação ao ano anterior. Os dados, divulgados pela Abrafarma (Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias), também mostram o aumento de gastos do público feminino, que equivale a 70% dos consumidores do varejo farmacêutico.

Por isso, os cuidados no momento de fabricação, armazenamento e transporte dos produtos são extremamente necessários, a fim de evitar o desperdício de matéria-prima, o descarte de materiais, a deterioração das máquinas e, consequentemente, a desvalorização da marca.

O controle de umidade em uma indústria de cosméticos é essencial. A qualidade dos cosméticos pode ser afetada com a umidade excessiva, alterando a composição dos produtos, causando oxidação e até mesmo contaminação por fungos. Assim como na indústria farmacêutica, a produção de cosméticos deve seguir as resoluções da Anvisa para entregar um produto de qualidade e que não seja prejudicial ao consumidor.

A relação da umidade com a contaminação microbiológica de cosméticos

A fabricação de cosméticos, assim como a de medicamentos, deve ser feita com o maior cuidado possível. Antes de chegar ao consumidor final, são realizados inúmeros testes para que a comercialização seja feita de forma segura e a qualidade do produto não seja afetada.

Os cuidados devem começar logo no recebimento da matéria-prima. Como a indústria de cosméticos utiliza muitos componentes em seus produtos, é essencial manter a qualidade desde o início do processo.

Materiais como o Acetil Tributil Citrato, por exemplo, utilizado na fabricação de esmaltes, podem ser danificados com a umidade em excesso. A substância é plastificante e possui celulose em sua composição, que se deteriora facilmente em ambientes cuja umidade não está entre 45% e 60%.

Veja os materiais primários que fazem parte da produção de cosméticos:

  • Umectantes

    Umectantes

    preservam a umidade, evitando a perda da cremosidade dos cosméticos e favorecendo a hidratação. Ex: sorbitol, glicerina, propilenoglicol.

  • Emolientes

    Emolientes

    responsáveis pelo espelhamento e lubrificação. Auxiliam na hidratação da pele e dos cabelos. Ex: óleo mineral, óleo de amêndoas, palmitato de isopropila.

  • Espessantes

    Espessantes

    aumentam a viscosidade dos produtos. Ex: ceras, gomas, PVP.

  • Tensoativos

    Tensoativos

    responsáveis por reduzirem a tensão superficial da água e de outros líquidos. São limpadores e espumantes. Ex: Lauril sulfato de sódio.

  • Alcalinizantes, acidificantes e neutralizantes

    Alcalinizantes, acidificantes e neutralizantes

    corrigem o pH das formulações. Ex: ácido cítrico, trietanolamina.

  • Conservantes

    Conservantes

    impede que os produtos sofram contaminação microbiológica. Ex: Koralone LA.

O setor é responsável pela produção de diversos produtos de higiene pessoal e perfumaria, como cremes, shampoos, maquiagens, sabonetes, entre muitos outros. Como o uso é frequentemente feito em contato com a pele, regiões sensíveis do corpo e também usado por crianças, o cuidado com a sua composição é essencial para que não hajam reações dermatológicas que possam prejudicar a saúde.

O controle de umidade é um fator fundamental para que os produtos não sofram influência durante sua linha de fabricação.

Infográfico Cosméticos 2020

Durante a produção de cosméticos considerados sólidos, como talco, sabonetes, sais de banho e algumas maquiagens, a umidade alta pode afetar a composição e alterar a qualidade do produto, tornando-o pegajoso, amolecido e sujeito a contaminação microbiológica.

Uma das principais contaminações de produtos é feita pela bactéria Pseudomonas aeruginosa, capaz de causar reações através de contato com a pele e os olhos. Em 2012, uma grande empresa de cosméticos teve de realizar o recall de um lote inteiro de shampoos, pois os mesmos apresentavam quantidades do microrganismo acima do permitido pela Anvisa.

A bactéria Staphylococcus aureus também apresenta sério risco de contaminação em cosméticos, causando problemas de saúde caso consiga entrar na corrente sanguínea do usuário. O desenvolvimento desses microrganismos é favorecido pela alta umidade nos ambientes de fabricação e estoque, pois a água presente no ar é o que dá a condição de vida para eles.

Para garantir que os produtos sejam fabricados e comercializados de forma correta, é preciso seguir as regras da RDC n° 48, de 25 de outubro de 2013, sobre as Boas Práticas de Fabricação de Cosméticos. A norma exige que a temperatura e a umidade sejam monitoradas, registradas e controladas durante a produção de cosméticos, e devem ser compatíveis às condições de estabilidade dos materiais e produtos acabados. Se a umidade do ar não estiver entre 40% e 60%, estes produtos se tornam pastosos, amolecidos ou pegajosos. No caso de pomadas e cremes, o recomendado é que a umidade do ar seja inferior a 20%.

O armazenamento dos produtos que serão distribuídos em seguida, também precisam de um local climatizado, longe do calor e com o controle de umidade e temperatura. Os galpões utilizados para a estocagem dos seus produtos não pode estar com a umidade acima dos 60%. As embalagens normalmente são feitas de papelão, e este é um material higroscópico, ou seja, absorve a umidade presente no ar. Isso faz com que o produto guardado em seu interior também seja afetado.

A RDC n° 48 também possui regras para o estoque de cosméticos. É necessário que as áreas de armazenamento sejam projetadas para assegurar as condições ideais de estocagem, sendo mantidas limpas, secas e com níveis de umidade compatíveis com os materiais armazenados.

No caso de cremes e pomadas, a umidade em excesso pode causar redução do volume, mudança na consistência ou ainda formação de líquido dentro das embalagens. As bases, que são aplicadas antes da maquiagem, podem oxidar facilmente quando armazenadas em local úmido. A cor do produto também sofre alteração, ficando alaranjada ou acinzentada, além de diminuir drasticamente sua data de validade.

O uso do desumidificador de ar na indústria de cosméticos

Para manter sua produção em alta e evitar perda de materiais, é indicado o uso de um desumidificador de ar Desidrat. O equipamento controla a umidade do ambiente industrial, impedindo a formação de mofo e bolor em produtos e ainda evita alteração de forma e cor nos cosméticos. Além disso, o uso de Desidrat é recomendado em todas as etapas do processo da produção até a distribuição.

A Thermomatic oferece desumidificadores que podem ser utilizados em pequenas fábricas, médias e grandes indústrias. A linha industrial da Desidrat atende ambientes de 1.000 m³ até 25.000 m³, garantindo a qualidade em todas as etapas de seus cosméticos.

Agende uma visita técnica e saiba qual o melhor desumidificador Desidrat para o seu negócio.

Principais clientes atendidos

Principais Clientes Atendido: L'Occitane, Juá, ApisBrasil etc.

Surgiu alguma dúvida? Fale conosco!

Erro: Preencha os campos obrigatórios.

Erro: Preencha os campos obrigatórios.

Ao usar o formulário, você concorda com a nossa política de privacidade

© Thermomatic do Brasil | Otimização de Sites SEO - Marketing em Internet

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para guardar estatísticas de visitas e assim melhorar sua experiência de navegação, saiba mais em nossa política de privacidade.

Entendi e Fechar