A Relação entre Asma e Umidade

A Relação entre Asma e Umidade
A Relação entre Asma e Umidade

Mesmo com os avanços conquistados no campo das pesquisas, diagnóstico e controle, algumas doenças continuam sem cura. As doenças crônicas, em especial as que acometem o trato respiratório, estão entre as principais preocupações das instituições, governos e o Ministério da Saúde.

A asma, por exemplo, é uma doença crônica das vias aéreas e oferece risco à nossa saúde. De acordo com a OMS - Organização Mundial da Saúde, ela acomete 300 milhões de pessoas ao redor do mundo. A organização ainda aponta que as mortes causadas pela doença aumentem nos próximos 10 anos se medidas urgentes não forem tomadas.

Estima-se que 20 milhões de brasileiros sofrem com a asma, seus desconfortos e suas conseqüências;

 

 

Só na rede pública, são 350 mil internações de pacientes com asma;

 

 

 

Estima-se que 10% da população sofram com a doença e a prevalência maior é na infância.

 

 

 

A preocupação em divulgar conhecimento sobre asma entre os profissionais da saúde e a população é tão grande que, em 1993, foi criada a GINA - Iniciativa Global Contra a Asma. Em parceria com a OMS - Organização Mundial da Saúde, a iniciativa foi desenvolvida com o objetivo de conscientizar os pacientes, divulgar artigos e dar notícias sobre novos tratamentos e medicamentos. 

Todo ano, a GINA organiza o Dia Mundial da Asma e mobiliza hospitais e médicos ao redor do mundo para distribuir materiais e recursos com mais informações sobre a doença, assim ensinando sobre os riscos da asma e seus perigos.

Os ataques de asma estão diretamente ligados a qualidade do ar que respiramos, tanto na rua quanto dentro de casa. A boa notícia é que é possível controlar as crises respiratórias, amenizar seus sintomas e garantir a qualidade de vida das pessoas ao descobrir quais são os principais alérgenos que causam as crises e como eliminá-los dentro de casa, onde passamos boa parte do nosso dia. Para isso, é necessário realizar o controle de umidade nos ambientes residenciais. 

 

O que é Asma?

Asma é uma doença não contagiosa e que ataca as vias respiratórias aéreas, os tubos que fazem a circulação de ar pelos pulmões. Sempre que há algum tipo de irritação, os brônquios apresentam obstrução e consequente dificuldade de passagem do ar.

Quando há inflamação das vias aéreas, a pessoa começa a sentir dificuldade para respirar e, como consequência, começa uma crise asmática. Também são comuns sensações de aperto e chiado no peito, tosse, excesso de muco (catarro) e dificuldade de realizar exercícios físicos. 

A dificuldade em realizar essas atividades é inclusive um dado que ajuda a distinguir essa doença das demais, como rinite alérgica.  Na asma, é mais difícil a expiração do que a inspiração, ou seja, em estado de crise, o mais difícil para o asmático é colocar o ar para fora dos pulmões.

Especialistas acreditam que as infecções respiratórias deveriam ter mais importância para a população mundial. Não é preciso ir muito longe para comprovar essa necessidade. De acordo com o DATASUS - Departamento de Informática do SUS, a asma é a 4º maior causa de hospitalização na rede pública e o custo com a doença ultrapassa, anualmente, mais de meio milhão de reais.

Apesar de ser uma doença respiratória que acomete muitas pessoas no mundo todo, deve ser tratada com seriedade. As crises de asma podem levar à morte se os devidos cuidados não forem tomados. Portanto, é importante manter um ambiente residencial limpo e livre de agentes alérgenos, justamente para evitar infecções e outros problemas respiratórios, como rinite e bronquite

É importante lembrar que, com a pandemia de COVID-19, que foi declarada no mundo todo no início de 2020, as pessoas que sofrem com crises de asma estão no grupo de risco da infecção do vírus. 

Os problemas pulmonares causados pela doença, combinados com o ataque do coronavírus às vias respiratórias, pode agravar o quadro clínico do paciente e causar o óbito. 

Qual é a causa da asma?

O asmático apresenta uma condição genética, isto é, uma herança em seu DNA que determina uma reação exagerada na presença de alguns estímulos, como a poeira domiciliar formada por ácaros e fungos. Nos casos de asma alérgica, a forma mais comum de manifestação da doença, ou seja, os principais gatilhos que podem desencadear crises são:

Fungos

Presentes em todas as partes do universo, os microrganismos se desenvolvem com facilidade em locais úmidos e com alta temperatura. Eles podem se espalhar dentro de casa nas paredes, no teto e nos móveis de madeira. A ação dos fungos piora o quadro clínico de pessoas com asma por provocar a inflamação dos brônquios.

Ácaros

Encontrados com muita frequência em colchões, travesseiros, roupas, carpetes e cortinas, dentre outros, os ácaros e seus excrementos também aumentam a inflamação dos brônquios. Eles se alimentam de escamação de pele, principalmente humana, de pelos de animais de estimação e até de mofo. Embora difícil de ser eliminado, pode ter a sua disseminação controlada através do controle da umidade, já que essa é a principal condição para a vida desses e outros microorganismos.

Pelos de animais

Embora alguns acreditem que apenas o pelo dos animais afetem a asma, não é bem assim. A descamação da pele, a urina, a saliva e quaisquer outros tipos de secreção também podem ser gatilho da asma.

Fumaça de cigarro

A simples presença de algum fumante ao lado do asmático já é suficiente para que ele sinta os efeitos, é que a fumaça do cigarro aumenta os níveis de inflamação dos brônquios.

Gripes e resfriados

Um simples resfriado já pode causar irritação das vias respiratórias de quem tem asma. Mas o pior mesmo é quando se trata de acometimento viral, como no caso de uma gripe que pode provocar a crise de asma ou até mesmo piorá-la.

Pólen

Dispersas pelo ar, pequenas sementes de flores acabam sendo inaladas e os seus efeitos sobre o sistema respiratório acabam sendo prejudiciais no caso dos asmáticos.

Outono e Inverno

Com a temperatura mais baixa nós fechamos portas e janelas para fugir do ar frio e assim diminuímos a ventilação, o que favorece a proliferação de ácaros e o acúmulo de pó em tapetes e cortinas.

A ASBAI - Associação Brasileira de Alergia e Imunologia  ressalta que um dos principais passos para tratar corretamente a doença é conhecer suas causas e afastá-las.

Diagnóstico de asma

Se uma pessoa espirra ao seu lado, ou mesmo apresenta flagrante falta de ar, esses podem ser alguns sintomas de asma e indício de que um processo inflamatório acaba de começar. Além de levar em conta sinais como tosse, normalmente o médico analisa o histórico pessoal ou familiar de doenças alérgicas, solicita a prova de função respiratória ou espirometria e outros exames que avaliem a função pulmonar, caso seja necessário.
Realizar o acompanhamento médico e se ater a todas as prescrições clínicas é fundamental para uma vida completamente normal do indivíduo com asma.

Tratamento da asma

A asma é uma doença que não tem cura, mas seu tratamento é feito através de medicamentos e é geralmente dividido em dois grupos: para os momentos de crise e para o controle da doença. No primeiro deles, comprimidos ou xaropes são ingeridos e bloqueiam o processo inflamatório, enquanto no segundo o remédio é inalado e pode ser usado por tempo prolongado.
Porém, vale ressaltar que o prezar pela qualidade do ar que você respira é muito importante para evitar as crises de asma. O ideal é realizar a higienização dos cômodos de sua casa para impedir não somente os problemas da asma, mas também de outras alergias que podem se agravar.

 Como aliviar crises de asma?

É importante realizar as medidas acima principalmente durante as estações mais frias do ano. Nesses casos, desenvolvemos hábitos dentro de casa que podem aumentar a temperatura e umidade dos ambientes, como: manter janelas e portas fechadas, tomar banhos mais quentes e cozinhar alimentos como sopas e caldos, formando vapor na cozinha. Todos esses fatores contribuem para que as crises de asma aconteçam, porque ao elevar a umidade através do vapor dessas ações, o excesso de umidade acelera a proliferação de agentes alérgenos.

Apesar de, em alguns casos, as pessoas fazerem uso de um ar condicionado dentro de casa para evitar o acúmulo de umidade, isso só se torna viável no verão. Porém, isso só facilita a circulação dos microrganismos no ar e ainda pode ressecar o ar, o que também é prejudicial para a saúde.


Nesses momentos, o desumidificador se torna um poderoso aliado de quem tem asma. O aparelho elétrico realiza o controle de umidade entre 50% e 60%, deixando-a em acordo com os níveis aconselháveis pela OMS – Organização Mundial da Saúde. O desumidificador de ar também elimina até 90% das impurezas do ambiente e evita a proliferação de ácaros, fungos e bactérias que, como citados acima, são alguns dos principais desencadeadores de crises respiratórias.

Projetados e fabricados dentro dos melhores parâmetros tecnológicos, o Desidrat, da Thermomatic, é indicado para equilibrar a umidade em ambientes que vão desde a sala de estar, onde passamos momentos agradáveis em família, até o dormitório, espaço que deve estar sempre limpo e seguro, principalmente quando falamos sobre saúde de bebês e idosos. Prezar pela qualidade do ar é garantir o conforto de sua família. 

Depoimento de cliente:

Antes eu só usava o umidificador de ar, depois que conheci o Desidrat, comprei para o meu filho que sofria muito com as crises de asma durante a noite. Após o uso frequente do desumidificador consegui até tirar a bombinha de asma do meu filho. Recomendo!

“Gisele Sanches”

Quer saber mais sobre os benefícios da desumidificação para asma? Entre em contato com um de nossos consultores!

Surgiu alguma dúvida? Fale conosco!

Erro: Preencha os campos obrigatórios.

Erro: Preencha os campos obrigatórios.

Desumidificadores de ar Desidrat previne a asma. Veja alguns modelos:

© Thermomatic do Brasil | Otimização de Sites SEO - Marketing em Internet